Seguidores

.

.

Pesquisa personalizada
Calendário Feminista

24 de fevereiro – Dia da conquista do voto feminino no Brasil
8 de março – Dia Internacional da Mulher
30 de abril – Dia Nacional da Mulher
28 de maio – Dia Internacional de Luta pela Saúde da Mulher e Dia Nacional de Redução da Morte Materna
25 de julho – Dia Internacional da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha
29 de agosto – Dia da Visibilidade Lésbica no Brasil
23 de setembro – Dia Internacional contra a Exploração Sexual e o Tráfico de Mulheres e Crianças
28 de setembro – Dia pela Descriminalização do aborto na América e Caribe
10 de outubro – Dia Nacional de Luta contra a Violência à Mulher
25 de outubro – Dia Internacional contra a Exploração da Mulher
25 de novembro – Dia Internacional da Não-Violência contra a Mulher
6 de dezembro – Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

PARADINHA – 1º Parada Cultural Gay do Rio Vermelho

Terá Negra Jhô como Rainha, Fernando Guerreiro e Rita Batista como Padrinhos…

O projeto visa trazer para o bairro eleito pelos boêmios e intelectuais de Salvador um evento que traga toda a sensibilidade das manifestações culturais para uma “parada” pela conscientização contra a “Homofobia”. O nome ‘Paradinha” foi escolhido carinhosamente por ser um evento de menor proporções e também por ser totalmente voltado para uma programação cultural, com charangas, fanfarras e bloquinhos de rua. As atrações são DJ PimentaBanda LimusineBus LatinoDJ Phepz, participação de Marcia ShortJ. VelosoDJ SankofaMarília SodréStella MarisKarol Guaitolini e exposição de fotos de Lara Lins.
Paradinha será no tradicional Largo de Dinha, famoso pelo acarajé de Dinha (in memorim), o nome também é uma homenagem à quituteira. Com um palco bem pequeno as atrações serão recital de poesia, grupos musicais e performances de teatro, circo e dança. Idealizado pela produtora cultural Luzia Moraes, a Paradinha tem intenção de lembrar os carnavais de antigamente, com muita alegria, descontração, segurança e conscientização. Para isso o parceiro nesta jornada é o Grupo “Gapa Bahia” presidido por Harley Henriques que vai mobilizar a população do bairro do Rio Vermelho atuando com seus pilares de preservação, comunicação e educação. Outro grande parceiro é o site “Dois Terços” que vem tendo grande destaque no cenário cultural da cidade e no segmento LBGT. O site entra na co-produção do evento e na assessoria de imprensa do mesmo.

A Paradinha terá a jornalista Rita Batista como madrinha, o renomado diretor de teatro Fernando Guerreiro o grupo 3 na Foliacom as cantoras Claudia Cunha, Sandra Simões e Manuela Rodrigues serão as princesas e a rainha Negra Jhô. Quem assina a arte das faixas é o artista plástico Thiago Bols, sendo que a hora da entrega será com a cantora Juliana Ribeiro cantando o Hino Nacional, como ela fez este ano na tradicional “Parada Gay” do Campo Grande.

A concentração começa às 17h e termina às 22h, dia 03 de dezembro, um sábado. A Paradinha busca trazer a arte, a liberdade e por isso escolhe o bairro do Rio Vermelho para realizar a 1º Parada Cultural Gay – com atrações alternativas, um público menor e muita alegria!

Realização: Ofá Produções, Gapa Bahia, Dois Terços
Contatos
Luzia Moraes -Ofá Produções
luzia.ofa@gmail.com

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

II Encontro Gênero na USP - SP

Foto: II Encontro Gênero na USP
Foto: II Encontro Gênero na USP
No dia 02 de dezembro de 2011, o II Encontro Gênero na USP, reunirá docentes, pesquisador@s, funcionári@s e alun@s que desenvolvem atividades sensíveis à perspectiva de gênero e aos estudos das mulheres. Terá a finalidade de ampliar as discussões sobre os rumos do ensino (dezenas de disciplinas de graduação e pós-graduação), da pesquisa e da extensão no campo dos estudos da mulher e das relações de gênero.  O NEMGE tem um papel central no desenvolvimento dos estudos de gênero na USP e no Brasil. No entanto, as atividades desenvolvidas nos últimos anos pelo NEMGE, em que pese serem importantíssimas, não correspondem aos critérios da USP para funcionar como núcleo de pesquisa. Foi sugerida a reativação do núcleo como de extensão.
Estamos organizando um evento no qual esta história possa ser contada, as disciplinas de graduação e pós-graduação que lidam com gênero e estudos das mulheres possam ser elencadas, e a discussão sobre a possibilidade do Nemge ser um núcleo de extensão possa ser iniciada. 
Pretendemos registrar tudo pelo IPTV-USP, e estamos pedindo que tod@s tragam sua produção, para que possamos nos conhecer melhor. As alunas também têm se organizado e inclusive fizeram um Encontro de Mulheres Estudantes da USP em outubro.Facebook do evento  https://www.facebook.com/events/242332435827469/Inscrições: nesse link. Haverá emissão de certificado. 

II Encontro Gênero na USP
  • 9:00 - Apresentação: Boas vindas: NEMGE, interdisciplinaridade e as perspectivas dos estudos de gênero na USP;
  • 9:20 - A História do NEMGE e os Estudos de Gênero na USP - Profa. Dra. Eva Alterman Blay (FFLCH/USP) e Profa. Dra. Rosa Ester Rossini (FFLCH/USP)
Gênero, pós-graduação e pesquisa;
  • 10:00 - Os estudos de gênero e sexualidade na área da saúde - Profa. Dra. Simone Grilo Diniz;
  • 10:20 - Os estudos de gênero no Brasil: um balanço provisório - Dra. Arlene Ricoldi ;
  • 10:40 - Os estudos sobre mulher saem da academia: os desdobramentos da pesquisa "Mulheres Brasileiras, nos Espaços Públicos e Privados" - Prof. Dr. Gustavo Venturi Jr. (FFLCH/USP)
  • 11:00 - Debate com o público
Almoço
Gênero, graduação e o diálogo intergeracional
  • 14:00 - Estudos de Gênero nas disciplinas de graduação e pós da USP - Ana Carolina Franzon (PPGSP/FSP/USP) e Izabela Nalio (Graduação Ciências Sociais/FFLCH/USP);
  • 14:20 - Gênero na Graduação
    Profa. Dra. Vera Silvia Facciolla Paiva (IP/USP);
    Profa. Dra. Elisabeth Franco Cruz (EACH/USP);
  • 15:20 - Frente Feminista: I Encontro de Mulheres Estudantes da USP (Janaína Calu - DCE/USP)
Gênero e Extensão
  • 15:40 - Elementos para uma proposta de Núcleo de Extensão de Gênero na USP
  • 16:00 - Espaço dialogado com o público e encaminhamentos
  • 17:00 - Encerramento e lançamento de livros
Será transmitido on-line pelo IPTV-USP

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Abaixo assinado: Outorga do Título de Doutora Honoris Causa a Dalva Damiana de Freitas

Estamos encaminhando este e-mail em defesa da outorga do título de Doutora Honoris Causa pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia a Mestre Sambadeira Dalva Damiana de Freitas pela sua dedicação aos trabalhos realizados em prol do Samba de Roda e da cultura do Recôncavo baiano.
Para tanto envio o link abaixo para assinar. Quanto aos dados solicitados, não é obrigatório, pode inserir XXXX.
É por uma causa nobre e de valorização aos mestres da cultura popular.


Link abaixo-assinado on-line:
http://www.change.org/petitions/prof-dr-paulo-gabriel-soledade-nacif-outorga-do-ttulo-de-doutora-honoris-causa-a-dalva-damiana-de-freitas#

Vídeo sobre Dona Dalva
http://www.youtube.com/watch?v=XkyMJjKsfrs

Vamos assinar e divulgar também!
Obrigada a todos

Atenciosamente,

Associação Cultural do Samba de Roda Dalva Damiana de Freitas
Proponente do registro do SAMBA DE RODA DO RECÔNCAVO BAIANO ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional

http://www.sambadedalva.blogspot.com
http://www.myspace.com/sambaderodasuerdieck

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Gênero e raça estarão em destaque, a partir de amanhã (23/11), na 2ª Conferência do Desenvolvimento - DF


Em arena de debates organizada pelo IPEA, ONU Mulheres, SPM e Seppir, temática é elevada aos grandes temas a serem considerados no desenvolvimento do País. De 23 a 25 de novembro, especialistas vão analisar políticas públicas, oportunidades e desafios para a superação das desigualdades raciais e de gênero

 

Alçado entre os grandes temas destacados pela 2ª Conferência do Desenvolvimento - Code, o combate ao racismo e ao sexismo será discutido na perspectiva dos indicadores socioeconômicos, que registram as desigualdades de gênero e raça, a partir de amanhã (23/11), em Brasília. Com extensa programação, o Espaço Gênero e Raça vai concentrar os debates sobre a análise das políticas públicas, oportunidades e desafios para a superação das desigualdades.

 

Terá, ainda, lançamento da pesquisa “Participação das mulheres no processo eleitoral de 2010”, lançamento de dois livros “Redistribuição, reconhecimento e representação: diálogos sobre a igualdade de gênero” e “Tensões e experiências: um retrato das trabalhadoras domésticas de Brasília e Salvador” e mostra fotográfica sobre mulheres negras, jovens, do campo e da cidade.

 

A programação será inaugurada, às 14h30 do dia 23 de novembro, com a apresentação da 4ª edição do Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça, elaborado pelo IPEA, ONU Mulheres, Secretaria de Políticas para as Mulheres e Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. A análise coloca em evidência 12 áreas temáticas: demografia, chefia de família, educação, saúde, previdência e assistência social, trabalho, trabalho doméstico, habitação e saneamento, acesso a bens duráveis e exclusão digital, pobreza e desigualdade de renda, uso do tempo e vitimização.

 

Das 16h30 às 18h30 serão iniciados os debates sobre os blocos temáticos do estudo. O primeiro deles “Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça: bloco temático saúde e educação” terá as participações de Emanuelle Goés (UFBA), Edilza Sotero (USP), Edilza Lobo (IPEA) e Fernanda Lopes (UNFPA) acerca dos processos de geração e perpetuação das diferenças e das desigualdades de mulheres e homens, brancos/as e negros/as.

 

Na quinta-feira (24/11), as reflexões recomeçam, às 8h30, na mesa “Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça: bloco temático vitimização”, composta por Carla Andrade (IPEA), Jackeline Romio (Unicamp) e Ana Sabóia (IBGE) sobre a compreensão de fenômenos como a violência de gênero e contra a juventude negra. A partir das 10h30, terá início o painel “Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça: bloco temático renda, pobreza e desigualdade” será desenvolvido por Tatiana Silva (IPEA), tendo como debatedora a especialista em saúde pública Maria Inês Barbosa e foco nas dimensões de pobreza e desigualdade de renda frente às estratégias recentes do governo federal de enfrentamento à extrema pobreza.

 

Ainda na quinta-feira (24/11), haverá a mesa “Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça: bloco temático uso do tempo”, das 14h30 às 16h30, com exposição de Cristiana Luiz (UNB) e Márcia Leporace (SPM) e debate de Vera Soares (Ministério da Ciência e Tecnologia) acerca da desigual distribuição do tempo entre trabalho doméstico não remunerado e mercado de trabalho, responsabilização feminina pelas atividades de cuidados e impacto nos diferentes grupos de mulheres. A roda do dia se encerrará no painel “Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça: bloco temático habitação, saneamento, acesso a bens duráveis e exclusão digital”. O tema será apresentado, das 16h30 às 18h30, por Pensilvânia Neves (Unifacs/BA) e Layla Carvalho (UNB), tendo como debatedora Ana Izabel (UFRJ).

 

Participação política, mídia e trabalho doméstico

Os resultados da pesquisa “Participação das mulheres no processo eleitoral de 2010” serão apresentados, das 8h30 às 12h30, na mesa “Representação política, gênero e desenvolvimento”, composta por José Eustáquio Alves (IBGE), Marlise Matos (UFMG) e Jacira Melo (Instituto Patrícia Galvão), com moderação de Nina Madsen (SPM). O estudo foi financiado pela Secretaria de Políticas para as Mulheres e realizado pelo Consórcio Bertha Lutz, integrado por pesquisadores de núcleos de pesquisas de universidades e organizações sociais. A pesquisa se desenvolveu por meios de três eixos: comportamento, tendências e percepções do eleitorado brasileiro, monitoramento das campanhas e candidaturas, e monitoramento da mídia jornalística.

 

Outro lançamento vai atrair as atenções no período da tarde, das 14h30 às 16h30, quando da apresentação do livro “Redistribuição, reconhecimento e representação: diálogos sobre a igualdade de gênero”, que concentra os debates realizados ao longo de dois anos no IPEA acerca da saúde, trabalho, violência e participação política sob a perspectiva de gênero e da igualdade entre homens e mulheres. O ato terá as exposições de Maria Aparecida Abreu (IPEA) sobre debate feminista e políticas sociais, Flávia Biroli (UNB) acerca de mulheres, mídia e política e Jacqueline Brigagão (USP) sobre mulheres, direitos sexuais, reprodutivos e políticas de saúde.

 

O último painel “Retrato da Desigualdade de Gênero e Raça: bloco temático trabalho e trabalho doméstico” e lançamento do livro “Tensões e experiências: um retrato das trabalhadoras domésticas de Brasília e Salvador”, de autoria do CFEMA, ONU Mulheres, OIT e IPEA completam a rodada de grandes temas de pesquisa e reflexão sobre políticas públicas e impactos nas populações de mulheres e homens, negros e brancos. A mesa será integrada por Joaze Bernardino-Costa (UNB) e Mônica Oliveira (Seppir), tendo como debatedora Betânia Ávila (SOS Corpo).

 

Arte para os olhos e a alma

O pulsante ativismo e a mobilização de mulheres negras, jovens, do campo e da cidade estão documentados pelas lentes de um grupo de fotógrafas e fotógrafos. Durante a 2ª Code, o público vai poder conferir as três exposições. “Vozes-Mulheres” sai do livro-fotografia 2011 – Ano Internacional das e dos Afrodescendentes, produzido pela ONU Mulheres com poema de Conceição Evaristo e produção fotográfica e estética de Januário Garcia e Luiz Gá, respectivamente, para o formato mostra de fotografia.

 

As fotógrafas Alexandra Costa, Elaine Campos, Julia Zamboni e Rayane Noronha retratam um movimento do qual fazem parte como jovens mulheres feministas na exposição “Mulheres em Marcha”. Enquanto “Retrato das Mulheres Brasileiras e Margaridas”, de Sydnei Murrieta, mergulha na diversidade feminina. O grupo de fotógrafas e fotógrafos participará na sexta-feira (25/11), às 16h30, de uma roda de conversa sobre suas produções no Espaço Latinidades.

 

2ª Conferência Nacional do Desenvolvimento – Code

Data: 23 a 25/11/2011

Horário: das 8h30 às 21h

Local: Parque de Exposições (Parque da Cidade) – Brasília/DF

Informações: www.ipea.gov.br/code

 

 

Cine Musa apresenta "La teta asustada" - BA

(Clique na imagem para ampliá-la)

Subsídios ao combate à Violência contra a Mulher

Pacto Nacional pelo Enfrentamento à Violência contra a Mulher – SPM

Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres – SPM

Relatório Mundial Violência e Saúde.

Atenção humanizada ao aborto.

Fluxograma de atendimento em saúde para mulheres e adolecentes em situção de violência sexual.

Aspectos jurídicos do atendimento às vítimas de violência sexual.

Anticoncepção de emergência.

Campanha Ponto Final na Violência Contra Mulheres e Meninas 2011.

Análise da Cobertura da Imprensa sobre Violência contra a Mulher - 2011.

Mulheres Brasileiras e Gênero nos Espaços Público e Privado 2010 - Fundação Perseu Abramo.

A Violência Doméstica contra a Mulher no Brasil 2011- AVON.

Informativo da Campanha Ponto Final - outubro 2011.

Informativo da Campanha Ponto Final - agosto 2011.

Informativo da Campanha Ponto Final -jan, fev e mar de 2011.

Violência contra a Mulher - resumo executivo - Andi e Instituto Patricia Galvão - 2011.

Pesquisa da Confederação Nacional dos Municípios - assassinatos de mulheres.

A Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher e o Sequestro Internacional de Crianças.

Homens Unidos pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

Anuário das Mulheres 2011- DIEESE.

Mapa da Violência 2011 - Homicídios de Mulheres no Brasil - Julio Jacobo Waiselfisz.

Cartilha Direitos da Mulher - Prevenção à Violência e ao HIVAids.

Mapa da Violência 2011 - Os jovens do Brasil - Julio Jacobo Waiselfisz.

Dossiê Mulher.

Campanha Ponto Final - versão português.

Nota Técnica - Assédio Moral e Sexual - CFEMEA.

Lei Maria da Penha do papel para a vida.

Um Conselho em favor dos Direitos Humanos das Mulheres e Crianças.

Norma Técnica de Padronização das Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher.

Perfil do Atendimento à Violência Sexual no Brasil - Cemicamp.

Dossiê Violência de Gênero contra Meninas.

Mapeamento das delegacias da mulher na América Latina.

Magnitude do Aborto no Brasil - Aspectos Epidemiológicos e Sócios Culturais.

FONTE: Campanha Ponto Final na Violência contra as Mulheres

Campanha Ponto Final à Violência contra as Mulheres

Objetivos
A Ponto Final é uma campanha regional que busca mudar as atitudes e crenças sociais relacionadas à discriminação, desigualdade e iniqüidade de gênero que sustentam e promovem a violência contra as mulheres. Tem um caráter inovador por estimular o debate, a reflexão e a participação direta das comunidades buscando mudanças de atitudes e de padrões culturais. Outro diferencial, é que esta campanha trabalha com o enfoque da prevenção primária, isto é, busca antecipar e intervir com estratégias para proteção das mulheres, antes que o fenômeno da violência ocorra, e não apenas estimulando a punição dos agressores. A Ponto Final, busca compreender como a violência ocorre e os enormes danos que ela produz e com isto procurar formas de convivências baseadas no respeito e não em agressões.
A Campanha Ponto Final tem como meta eliminar a aceitação social de todas as formas de violência contra as mulheres e meninas. Desenvolvendo ações para criar uma mobilização social de longo prazo, direcionada à erradicação da violência.

Organizaciones / Organizações / Organisations

Bolivia

Centro de Información y Desarrollo de la Mujer CIDEM
Edificio El Carmen, Calle Boquerón  #598-A
Casilla 14036
Tel: (591) 2 2490319 - 2430358
www.cidem.org.bo
     cidem@cidem.org.bo
La Paz-Bolivia
Utamau Kullaka-CIDEM
Av. Arica #1632
Zona Villa Tejada Triangular
Tel: (591) 2 2880358 – 28110041
El Alto- Bolivia
Colectivo Rebeldía
Pasillo Tarija # 41
Tel: (591) 3 3368101
Santa Cruz –Bolivia
Sartasim Warmi
Av. Guadalquivir  esq. Catavi # 2015

Brasil

Coordinación General
Rede Nacional Feminista de Saúde, direitos sexuais e direitos reproductivos, RFS
Av. Salgado Filho, 28 cj.601, Centro, Porto Alegre, RS, Brasil Tel: (55 51) 3212 4998 Email: redesaude@redesaude.org.brhttp://www.redesaude.org.br/

 Rede de Homens pela Equidade de Gênero representada por Themis – Asessoria jurídica e estudos de gênero Rua dos Andradas, 1137, cj 205, Porto Alegre, RS. Tel: (55 51) 3212 0104
  Coletivo Feminino Plural Av. Salgado Filho, 28, cj 701, Porto Alegre, RS. Tel: (55 51 322 15298
Coordinación Local
Themis – Assessoria Jurídica e estudos de Gênero
Maria Mulher – Organização de Mulheres Negras
Coletivo Feminino Plural
Aliadas Locales
Associação Comunitária do Campo da Tuca
Associação de Moradores do Morro da Cruz
Africanamente
Associação de Mulheres Unidas pela Esperança do Morro da Polícia

Guatemala

Organización de Mujeres Tierra Viva 3ª. Avenida 10-18 zona 1, Ciudad Guatemala Tel/fax: 22517372, 22537244, 22513761 Email:tierraviva@guate.net.gt http://www.tierra-viva.org/
Grupo Guatemalteco de Mujeres, GGM 2a calle 8-28 zona 1 Edificio Los Cedros 4º nivel Ciudad de Guatemala Teléfonos: 22500235/ 22302674 E-mail;  ggms@intelnet.net.gt y ggmincidencia@gmail.com
Asociación de Mujeres en Solidaridad, AMES 20 avenida 2-44 zona 6 Colonia Los Ángeles Teléfonos 22890820/ 22545437 E-mail;ames@itelgua.com
Nuestra Voz 2ª calle 4-23 zona 1 Apto. 7 Teléfono: 22537390 E-mail;mujernuestravoz@gmail.com

Haití

Coordinación Nacional de la Campaña Punto Final
SOFA - Haití Solidarite Fanm Ayisyèn,  9, Ruelle Villemenay – Bois Verna, Port-au –Prince, HT6114 -Haití Tel: (509) 34 30 85 14  Y/O  (509) 34 30 85 08 Email: secr2sofa@yahoo.fr  Y/O sofa_alcvf@yahoo.fr;vsfserasetahaiti@yahoo.fr
POHDH (Plataforma de los Organizaciones Haitianas por los Derechos Humanos);
REFRAKA
 (Red de Mujeres de las Radios comunitarias haitianas);
GARR
 (Grupo de Apoyo a los Refugiados y Rapatriados)
MOUFHED
 (Movimiento de las Mujeres Haitianas por la Educación y el Desarrollo)
Coordinación en  Las Cahobas
COSADH (Coordinación para Acción por la Salud y el Desarrollo en Haití)
MFL  (Movimiento de las Mujeres de Lahoy);
POFADEL (Plataforma de Organizaciones de Mujeres de Lascahobas )
SOFA - Solidaridad de Mujeres Haitianas -  (coordinacion local de Lascahobas)


Pesquisa personalizada