Seguidores

.

.

Pesquisa personalizada
Calendário Feminista

24 de fevereiro – Dia da conquista do voto feminino no Brasil
8 de março – Dia Internacional da Mulher
30 de abril – Dia Nacional da Mulher
28 de maio – Dia Internacional de Luta pela Saúde da Mulher e Dia Nacional de Redução da Morte Materna
25 de julho – Dia Internacional da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha
29 de agosto – Dia da Visibilidade Lésbica no Brasil
23 de setembro – Dia Internacional contra a Exploração Sexual e o Tráfico de Mulheres e Crianças
28 de setembro – Dia pela Descriminalização do aborto na América e Caribe
10 de outubro – Dia Nacional de Luta contra a Violência à Mulher
25 de outubro – Dia Internacional contra a Exploração da Mulher
25 de novembro – Dia Internacional da Não-Violência contra a Mulher
6 de dezembro – Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Estereótipos sexuais e as “negas” (Zelinda Barros)

O impacto provocado pela série Sexo e as negas é sintomático. Na TV, assim como ocorre em outros espaços sociais, ocupamos muito menos espaço do que deveríamos e, nas poucas vezes em que lá estamos, somos quase que exclusivamente representadas/os por autores/as brancos/as, que falam sobre nós e nossas experiências partindo de um olhar enviesado. Nesse caso específico, o autor branco recorre a estereótipos sobre mulheres negras para representar as nossas experiências.  Uma feminista negra estadunidense, bell hooks*, ao analisar a forma como o feminismo liberal considerava a mulheres negras nos EUA, refletiu sobre alguns elementos que podem ser úteis à reflexão sobre o que ocorre aqui no Brasil, uma vez que trata de questões referidas à população negra na diáspora, não apenas ao contexto estadunidense.

Na tentativa de reverter a repercussão negativa da série em segmentos representativos da população negra, alguns vídeos em solidariedade ao autor da série O sexo e as negas vêm sendo produzidos e divulgados em redes sociais por artistas e outras profissionais negras de segmentos ligados à arte, como Camila Pitanga, Rita Batista, Preta Gil e Margareth Menezes. Isso também é sintomático. A diversidade de formas de manifestação do racismo e a sofisticação com que ele opera em nossa sociedade expõe a diversidade existente entre nós, negras/os, especialmente na forma como contribuímos para o seu fortalecimento supondo reagir a ele.

O uso de expressões como “O sexo e as negas me representa” ou a “ignorância” imputada a quem critica essa produção mostra como, tal como hooks afirma, “a ausência de restrições extremas leva muitas mulheres a ignorar as esferas onde elas são exploradas ou discriminadas ou mesmo pensar que as mulheres não são oprimidas”**. Ela argumentava em referência a mulheres brancas de classe média, mas também podemos utilizar esse argumento para as reações ao racismo expressas por mulheres negras de classe média, pois é nítida a desconsideração da situação de opressão que nós sofremos por conta do véu interposto pela classe. A falta de representatividade na TV, para muitas/os, pode ser resolvida com a inclusão de atores e atrizes negros/as em produções em que atuem como protagonistas, independentemente das representações que sejam reforçadas nessas produções. Como sua inserção de classe lhes permite acessar espaços vedados à maioria da população negra, a inclusão numérica de indivíduos negros é suficiente.

É preciso não apenas ampliar o número de produções que incluam artistas negras/os e contemplem as nossas experiências, como também diversificar as representações por elas veiculadas, rompendo com a estereotipia. Formas mais produtivas de reação ao racismo devem ser incentivadas, especialmente as que evidenciem que os privilégios que algumas mulheres negras supõem gozar são relativos e limitados pelo racismo e sexismo, que operam como forças que impedem a efetiva transformação da nossa sociedade num contexto verdadeiramente igualitário.

Zelinda Barros é Antropóloga feminista negra, ciberativista.
* hooks, que escolheu esse pseudônimo em homenagem a seu avô, Bell Blair Hooks, optou por grafar seu nome dessa forma para destacar sua obra, não a sua pessoa.
** hooks, bell. Feminist theory: from margin to center, 1984, p. 5.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Coletivo Ângela Davis promove debate sobre "Mulher e saúde" - BA


segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Seminário Nacional debaterá protagonismo da mulher na cultura - BA


De 28 a 31 de outubro, a capital baiana, Salvador, receberá agentes de todo o Brasil para o Seminário Nacional Mulher e Cultura (SNMC), no qual debaterão as ações e os espaços de visibilidade das mulheres em alguns segmentos da Cultura. Realização da Fundação Pedro Calmon/Secretaria de Cultura do Estado, em parceria do Ministério da Cultura (MinC) e a Universidade Federal da Bahia (UFBA), o Seminário trará mesas de debate, apresentações culturais e rodas de diálogo, tendo como principal objetivo fortalecer as ações culturais realizadas por mulheres ou sobre mulheres, além de promover reflexões e debates sobre a temática. O Seminário será aberto no dia 28 de outubro (terça-feira), no Quadrilátero da Biblioteca Pública do Estado da Bahia (Barris), a partir das 19h e as inscrições (gratuitas) começam nesta segunda (15), por internet.
O Seminário será um espaço de convivência e troca de experiências acadêmicas, artísticas e culturais, a partir da interação entre diferentes agentes femininos de cultura do Brasil, tendo como finalidade o fortalecimento de uma rede de articulação feminina em todo país. É voltado para mulheres que apresentem atuação na temática cultural e perspectivas enquanto multiplicadoras, que tenham militância no segmento ou desenvolvam pesquisa sobre o tema central do evento e os transversais. A inscrição é gratuita, mas as vagas são limitadas e será feita – EXCLUSIVAMENTE – pela internet, no hotsite do evento(www.fpc.ba.gov.br/mulherecultura   ), no período de 15 a 22 de setembro.  Para garantir a presença de mulheres de todo o país, a produção do evento custeará passagens e hospedagens, conforme ​seleção  da Comissão de Inscrição do Seminário. 
As Mesas de Debates terão como temas: “Mulher: Tradição e Contemporaneidade”, “Mulheres da Cultura”, “Mulher, Cultura e Comunicação”, “Mulheres e Conhecimentos Tradicionais” e “Cultura e Contemporaneidade”, de 29 a 31 de outubro. Neste último dia, serão realizadas ainda as Rodas de Diálogos, com temas que ampliam as discussões centrais. Dentre as convidadas, estão a yalorixá, Beatriz Moreira Costa, a Mãe Beata de Yemanjá (RJ), a indígena do povo Omágua/Kambeba, mestra e escritora, Marcia Kambeba (PA), a jornalista e diretora do Coletivo Intervozes, Beatriz Barbosa (BSB), a doutora em Literatura Comparada da UERJ, Fernanda Felisberto e a integrante da Brigada de AudioVisual do Coletivo Nacional de Cultura do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Ana Chã (SP).
 Histórico
Ao adotar como um de seus princípios a igualdade e o respeito à diversidade, o II Plano Nacional de Políticas para Mulheres registrou que a promoção da igualdade de direitos entre mulheres e homens requer respeito e atenção, dentre outros aspectos, à diversidade cultural. Nesta linha, a SecultBA vem implementando os debates sobre mulher e cultura desde a IV Conferência Estadual de Cultura, que possibilitou discussões segmentadas sobre a temática. Além disto, em 2013, foi realizada a I Conferência Setorial de Mulher e Cultura, que encaminhou para encontro nacional demandas específicas do setor e articulou a formação de um grupo de debate para dialogar juntamente com os órgãos, as proposições de demandas.
Entretanto, no universo ampliado das manifestações culturais, a presença da mulher, apesar de visível e marcante, nem sempre é devidamente valorizada. O Seminário Nacional Mulher e Cultura reforça a proposta da criação de um espaço de interação entre diferentes agentes femininos de cultura do Brasil. Mais do que ampliar o espaço de diálogo, este Seminário destaca a relevância do debate sobre a participação feminina nos diversos espaços governamentais e de consulta; fortalece as discussões dos segmentos através das mesas temáticas e otimiza a criação de estratégias para divulgação e fortalecimento das ações em rede.
Além dos debates, o Seminário Nacional Mulher e Cultura contará também com apresentações culturais femininas – música, teatro, recitais -, espaços de leitura, com a Biblioteca Móvel, ao longo da programação, que será encerrada com show na Praça Tereza Batista – Pelourinho. Paralela às atividades, acontecerá também, nos dias 28 e 29, a Mostra de Filmes “Mulheres, Cultura e Contemporaneidade”, na Sala Walter da Silveira, gratuitamente. Toda a programação do SNMC poderá ser consultada no endereço  http://www.fpc.ba.gov.br/mulherecultura , a partir de onde também serão transmitidos os debates.
SERVIÇO
O que: Seminário Nacional Mulher e Cultura – SNMC
Quando: 28 a 31 de outubro de 2014
Onde: Complexo Cultural dos Barris
Gratuito
 CONFIRA A PROGRAMAÇÃO AQUI.

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Convocatória de propostas de apoio a mulheres afrodescendentes da América Latina

La misión de When and Where I Enter, Inc. (“WWIE”) es consolidar instituciones y organizaciones que apoyan nuestra meta de ayudar a las mujeres afrodescendientes de América Latina a ejercer control sobre sus vidas y participar en sus comunidades de modo significativo y efectivo. WWIE aceptará las propuestas de la concesión en temas de Desarrollo Económico y Educación; Salud y Conciencia Sexual; Desarrollo de Liderazgo; y Enriquecimiento Cultural. Por favor complete este formulario de inscripción y devuélvalo por correo electrónico (proposals@whenandwhereienter.org) antes del 29 de septiembre de 2014. Las concesiones pueden ser de US$500 a US$5.000.
  • Desarrollo Económico y Educación: WWIE apoya organizaciones que ayudan a las mujeres afrodescendientes de América Latina a desarrollar las habilidades para adquirir y mantener un empleo confiable para ayudar a levantarse y a sus familias de la pobreza.  También apoyamos programas que permiten a las mujeres afrodescendientes de América Latina a crear y preservar prosperidad en la forma de ahorros, hogares y empresas empresariales.

  • Salud y Conciencia Sexual: WWIE apoya organizaciones que promuevan un ambiente seguro e informado en el cual las mujeres y niñas pueden participar en su propia salud reproductiva. Esto incluye, pero no se limita a, proporcionando educación sobre estrategias de prevención, mejorando el acceso a servicios de salud y proporcionando apoyo a sobrevivientes de violencia domestica y por género.

  • Desarrollo de Liderazgo: WWIE apoya organizaciones que reconocen el valor de las mujeres y niñas afrodescendientes de América Latina como recursos a sus familias y comunidades y que promueven las habilidades de liderazgo para dar poder a mujeres y niñas para convertirse en agentes activos del cambio social y participar más completamente en sus comunidades.

  • Enriquecimiento Cultural: WWIE apoya organizaciones que animan la expresión creativa de mujeres y niñas afrodescendientes de América Latina como una forma de diseminar tradiciones culturales y atraer las comunidades donde viven.


Atentamente,
Lori Robinson
Secretaria de la Junta Directiva
When and Where I Enter, Inc

UFRB promove "Encontro Internacional Gênero e Feminismo" - BA



05/setembro/2014
CAHL/UFRB - Auditório Hansen Bahia

Temos a satisfação de convida-las/os para Encontro Internacional Gênero e Feminismo, com Felicity Grabiel e Marcia Ochoa, do departamento de Estudos Feministas, da Universidade da Califórnia, de Santa Cruz, EUA.

Programação:

10h -12h30 – Palestras e Debate

Governando Intimidades de Imigrantes Transnacionais, com Felicity Grabiel
Rainha por um dia: Transformistas, Misses e Performances da feminilidade na Venezuela, com Marcia Ochoa

14h-17h - Mini-curso
Metodologia de Gênero e Feminista

Organização:
Maria de Fátima Ferreira

Mediação

Suzana Maia

sábado, 9 de agosto de 2014

I Encontro de Grupos de Pesquisa em Gênero e Raça na UFRB - BA


O Programa de Pós–Graduação em Ciências Sociais em parceria com o coletivo  Ângela  Davis  e demais coordenações   universidades  brasileiras promoverá , de 21 a  22 de  agosto, o I Encontro de  grupos de Pesquisa  em Gênero e Raça da UFRB, na Fundação Hansen, em Cachoeira,Bahia.Temas como sexualidade e estética,saúde acesso a terra e  trabalho, educação  arte e  cultura,violência,racismo, sexismo e outras intolerância,feminismos e outras práticas  políticas  de  resistência serão  discutidos  nos   grupos de  trabalho.
As inscrições para o I Encontro já estão  abertas para   os/as  interessados (as) em enviar o resumo do trabalho para apresentação até o dia 13 de agosto contendo:uma lauda, fonte  Times New Roman 12, espaçamento 1,5 nome dos autores e e-mail ou  participarem  como ouvintes  até  o dia 19 de  agosto. 

CRONOGRAMA :
 Inscrições : 8  a  19  de   agosto de  2014
 Envio de   trabalhos : 8  a 13 de   agosto de  2014
 Avaliação   dos   resumos : 15  a 17 de   agosto de  2014
 Divulgação  dos   trabalhos  aprovados : 18   a 19 de   agosto de  2014
 Interessados  devem  enviar os resumos  para: encontrogpgr@gmail.com

SOBRE A  PROGRAMAÇÃO

21/08  Quinta-feira
(Manhã)
Mesa  de  abertura
Mesa  Redonda 1- Experiência  e  Desafio dos  Estados  e  Pesquisas  em  Gênero e  Raça
(almoço)
Maniçoba  ( Restaurante  de Jeilza)
 (Tarde)
 GT’s
 GT1 –Sexualidade e  Estética
GT2- Saúde, acesso a  Terra  e  Trabalho
GT3-Educação, Arte  e  Cultura
GT4- Violência, racismo , sexismo e  outras  intolerâncias
GT5- Feminismo e  outras  práticas  políticas  de  resistência
(Noite)
 Quinta  do Preto Velho ( Praça 25 de  Março )

22/08 Sexta-Feira
 Manhã
 GT’s
 (Tarde)
 Mesa  Redonda 2-  Estratégias  e Perspectivas  dos  Estudos  e  Pesquisa  em Gênero e  Raça.
 (Noite)
Lançamento de  Livros   e  Encerramento
(Bar  de D. Jó- Rua  Paraguaçu)

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Profª Marie Helene Bourcier visita universidade baianas



Professora da Universidade de Lille II, Marie-Hélène Bourcier realiza uma série de atividades na Bahia, como parte de sua temporada de palestras no Brasil. Entre a programação no estado, a professora participará de debates com grupos de estudos de gênero no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.

Bourcier destaca-se pelo ativismo lésbico e é uma das principais teóricas queer da França. É citada em numerosas publicações de livros e artigos sobre cultura, teoria queer e subculturas sexuais, feminismos e os pós-feminismos, minorias e políticas de identidade na França e no exterior.

Além de atividades na Universidade Federal do Recôncavo, Bourcier é convidada de outras quatro instituições: Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), Universidade Federal da Bahia (UFBA), Universidade do Estado da Bahia (Uneb) e Universidade Estadual de Maringá (UEM). A visita tem o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

17/07
16h - Encontro com grupo de estudo
(Coord.: Profª Simone Brandão)

18/07
09 - Encontro com grupo de estudo
(Coord.: Profª Angela Figueiredo)

14h - Ateliê Drag King

Programação Julho das Pretas de Serrinha 2014 - BA


 15/07/014- Vigília feminista com o tema Re-Construindo a Identidade das Mulheres Negras no Território do Sisal no bairro Princesa do Agreste as 18 horas
16/07/014- Vigília feminista com o tema: Re-Construindo a Identidade das Mulheres Negras no Território do Sisal no bairro dos 13 as 18 horas
17/07/014- Bate –Papo com as mulheres negras assistidas do CRAM-DANDARA às 09 horas
18/07/014-Vigília feminista vigília feminista com o tema: Re-Construindo a Identidade das Mulheres Negras no Território do Sisal no bairro na rua do fogo na rodagem as 18 horas
18/07014-Bate-Papo com as mulheres negras na comunidade de Cural de Fora no município de Água Fria as 14:30
18/07/014- De 18 a 20 Semana Interterritorial de Extermínio da Juventude Negra
19/017/014-Exposição das mulheres negras com o tema: Re-Construindo a Identidade das Mulheres Negras no Território do Sisal na praça Luiz Nogueira das 09 as 17
20/07/014- Domingo
21/07/014- Rede de atenção a mulher com o tema: Re-Construindo a Identidade das Mulheres Negras no Território do Sisal na comunidade de alto de fora as 15 horas
22/07/014- A vida das Mulheres Negras Lésbicas no bairro de Novo Horizonte
23/07/014- Roda de conversa com o tema: As mulheres quilombolas e suas especificidade na comunidade de Matinha as 15 horas

terça-feira, 15 de julho de 2014

Mostra de Arte e Cultura de Mulheres Negras - BA

Nos dias 24 e 25 de julho a capital baiana será palco da Mostra de Arte e Cultura de Mulheres Negras. A mostra acontecerá no Forte da Capoeira (Santo Antônio) e reunirá 500 mulheres negras de 12 territórios da Bahia.

O evento faz parte da programação do Julho das Pretas 2014, uma ação conjunta realizada pelo Odara – Instituto da Mulher Negra e Rede de Mulheres Negras da Bahia com o intuito de visibilizar as atividades realizadas no estado da Bahia em homenagem ao 25 de julho: Dia da Mulher Negra Latinoamericana e Caribenha e a partir desse ano, também é o Dia de Teresa de Benguela, referendando a memória das mulheres negras que lutaram pela liberdade de seu povo.

A Mostra será dividida em três momentos: a feira de artesanato e cultura; o show em homenagem a luta das mulheres negras na Bahia e do lançamento da Marcha das Mulheres Negras Contra o Racismo, a Violência e Pelo Bem Viver, que acontecerá Brasília, em 2015.

Para participar do evento como expositora basta entrar em contato com o Odara (71. 3013.7674).

CLIQUE AQUI e faça sua inscrição
Confira programação:


quinta-feira, 20 de março de 2014

Ato de repúdio à violência contra as mulheres negras - BA


Rede de Mulheres Negras da Bahia e do Nordeste realizará nesta sexta-feira, 21 de março (Dia Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial), às 10h, ato de repúdio a violência contra as mulheres negras. Não podemos nos calar diante do assassinato brutal de Cláudia Silva e nem das discriminações e violências que as mulheres negras vêm sofrendo. Em homenagem a memória de Cláudia Silva e de tantas outras vítimas do racismo e da violência vamos para as ruas manifestar e lutar por justiça. 

Concentração: 
Local: Na frente Escola Politécnica da UFBA (Federação)
Data: 21 de março (Dia Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial)
Horário: 10h

*Coloque uma roupa branca e venha – Somos todas Cláudia!
Para mais informações:
Suely Santos - 9202.9768
Lindinalva de Paula – 9933-4033
Odara- Instituto da Mulher Negra – 3034.3726

terça-feira, 11 de março de 2014

Professora da UNEB, Campus V, é a única brasileira a participar de Simpósio na França sobre Feminismos

No mês em que o mundo celebra o Dia Internacional da Mulher Cláudia Pons Cardoso, doutora e professora da UNEB, do Departamento de Ciências Humanas, Campus V, pesquisadora do NUGSEX Diadorim, participa, de 28 a 31 de março, na Université Paris Diderot (França), do Simpósito Internacional Interseccionalidade e Colonialismo, organizado pelo CEDREF (Centro de documentação e pesquisa de estudos feministas). Ela e Patricia Hill Collins (uma das intelectuais negra norte-americana mais influente do pensamento feminista negro), abrem o evento, tratando da participação das mulheres negras na construção de um mundo descolonizado.

Claudia será a única representante brasileira neste simpósio, que reúne mulheres de vários países, como Canadá, Índia, Moscou. A exposição de Cláudia faz parte de sua tese de doutorado, defendida em 2012, no Neim\UFBA intitulada "Outras falas: feminismos na perspectiva de mulheres negras brasileiras’’. Ela  tratará da teoria e práxis da interseccionalidade no movimento de mulheres negras brasileiras.

A proposta de interseccionalidade  entende que as mulheres negras, de forma singular, reúnem uma série de fatores de exclusão, como sociais, raciais, econômicos etc, que as colocam em um lugar social diferenciado de outros grupos de mulheres não negras.
Na verdade, a proposta é uma tentativa de levar em conta, nas discussões sobre a participação das mulheres nas sociedades, a complexidade e multiplicidade de posições sociais e identidades das mulheres negras. Essa ideia, foi proposta em 1989 pela norte- americana Kimberlé Crenshaw.

*Ogrigada por sua atenção. Caso queira mais informações favor contatar com :

Céres Santos – Jornalista Reg. 6156 DRT\RS
Tel. – (71) 9989.7243
Salvador, 11 de março de 2013

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Seminário "Das margens aos centros IV: Olhares contemporâneos sobre gênero e sexualidade" - GO

Exibindo Seminário Das Margens aos Centros IV.jpg


Data: 12 e 13 de março de 2014.
Horário: 20 horas.
Local: Mini-auditório da Faculdade de Ciências Sociais, Campus II da UFG (Samambaia).


Programação:

Mesa 1:
12/03/14, quarta-feira, 20 horas, Mini-Auditório da FCS/UFG.
Coordenação: Eliane Gonçalves (FCS/UFG).

Palestrantes:
Daniela Auad (UFJF).
Isadora Lins França (PAGU-UNICAMP).

 
Mesa 2:
13/03/14, quinta-feira, 20 horas, Mini-Auditório da FCS/UFG.
Coordenação: Camilo Braz (FCS/UFG).

Palestrantes:
Maria Filomena Gregori (UNICAMP)
Sérgio Carrara (UERJ).

Realização: Ser-Tão.
Apoio: UFG, PROEC, FCS, PPGAS, PPGS.

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Hoje: Exibição do documentário "Carolina", no CEAO/UFBA - BA

No dia 04 de fevereiro de 2014 ( TERÇA FEIRA), a partir das 18hs, NO CEAO - UFBA, o grupo Fazendo Milagres Cineclube em parceria com Coletivo Carolinas de Mulheres Negras, exibirá o Documentário CAROLINA Dirigido por: Jeferson De, 2003. O filme se passa em um quarto onde Carolina (interpretada por Zezé Motta) mora com a filha, Vera Eunice. Cercada por miséria, desespero e preconceito, ela desabafa e extravasa suas angústias por meio das palavras, criando uma envolvente atmosfera teatral recheada por imagens históricas de CAROLINA MARIA DE JESUS.

Ano do Centenário Carolina Maria de Jesus do Projeto Carolinas ao Vento, Centenária e Atemporal. Uma realização do Coletivo Carolinas de Mulheres Negras. 2014, 100 anos da escritora Carolina Maria de Jesus. Traga sua pipoca e bom filme.

III Seminário Gênero, Cultura e Mudança - CE

Imagem inline 1
 
Prezados/as
A Fábrica de Imagens – Ações Educativas em Cidadania e Gênero tem o prazer em convidá-lo/a para inscrever seu trabalho acadêmico Simpósio do III Seminário Gênero, Cultura e Mudança, do Curta O Gênero 2014. Acontecerá entre os dias 7 e 11 de abril de 2014 na Casa Amarela Eusélio Oliveira – Av. da Universidade, 2591 - Benfica , Fortaleza, Ceará.
As inscrições dos artigos podem ser feitas até 1º de fevereiro, com abordagem em alguma temática dos quatro seguintes eixos: Gênero, educação, cultura e comunicação; Gênero e violência; Gênero, corpo, identidades e diversidades; Gênero e direitos sexuais reprodutivos. O Seminário está confirmando convites, mas já teremos a presença dos/as seguintes convidados/as: Claudia Lima Costa, Sonia Correia, Richard Miskolsin, Maria Elvira Dias Benitas, Karla Bessa e Fernando Pocahy.
.
O EVENTO
.
O Curta o Gênero acontece desde 2012 e a ONG Fábrica de Imagens está na produção de sua 3ª edição, contando com uma programação mais diversa e com convidados e convidadas internacionais. É um projeto multilinguagens que convida à transformação de mentalidades através do debate e difusão de obras audiovisuais, fotográficas, cênicas e musicais comprometidas com a denúncia das desigualdades de gênero, com a construção ou invenção de outras representações e interpretações simbólicas baseadas na equidade de gênero e na afirmação da diversidade sexual.
Umas das novidades para 2014 são os Simpósios Temáticos do III Seminário Gênero, Cultura e Mudança, onde estudantes e pesquisadores de todo o país poderão compartilhar seus trabalhos acadêmicos. As inscrições dos artigos se encerram no dia 01 de fevereiro. Ambas poderão ser feitas gratuitamente pelo site do evento, que disponibiliza o Regulamento na aba Inscrições.
O Curta o Gênero acontecerá de 7 a 11 de abril de 2014, na Casa Amarela Eusélio Oliveira, com apoio da Universidade Federal do Ceará e patrocínio do Programa Desenvolvimento e Cidadania da Petrobras. Mais informações no site: www.curtaogenero.org.br

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Aberta seleção de 15 mulheres jovens para programa de fortalecimento de lideranças e treinamento em gênero

Mulheres entre 18 e 29 anos, com experiência comprovada em liderança comunitária ou ativismo pelos direitos das mulheres, podem se candidatar até 16 de fevereiro


Estão abertas as inscrições para o “Jovens Mulheres Líderes: Programa de fortalecimento em questões de Gênero e Juventude”, da ONU Mullheres em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), a Secretaria Nacional da Juventude, a Secretaria-Geral da Presidência da República e o Governo Federal.

O projeto busca promover o desenvolvimento das capacidades das mulheres jovens no Brasil, facilitando assim que sejam sujeitos no exercício dos seus direitos.

O objetivo é selecionar 15 jovens mulheres com alguma experiência em liderança comunitária ou ativismo pelos direitos das mulheres para participar de um programa de fortalecimento de lideranças e treinamento em questões de gênero, com foco na formação política, por meio de intercâmbios com líderes estabelecidas no legislativo, executivo, judiciário e sociedade civil.

Através dessa experiência busca-se promover maior relação entre as perspectivas de gênero e juventude no âmbito da efetivação dos direitos das mulheres.

Entre os critérios de seleção estão:

  • ter entre 18 a 29 anos; 

  • possuir alguma experiência comprovada em atividades de liderança comunitária ou ativismo pelos direitos das mulheres 

  • e conhecimentos de Office e uso de internet. 

O prazo para recebimento de candidaturas vai até o dia 16 de fevereiro de 2014.

Mais informações sobre os Termos de Referência, clique aqui.
-A ONU encoraja a candidatura de jovens afrodescendentes, indígenas, quilombolas, LBTTI, de todas as regiões brasileiras. 

-A diversidade racial, étnica, regional ou experiência será um critério de seleção, com o objetivo de compor um grupo o mais representativo possível dos diversos sectores. 


Fonte: site do PNUD Brasil

sábado, 25 de janeiro de 2014

Produções da Ufba têm a “mulher negra” como tema

O Grupo Gestor do Repositório Institucional da Universidade Federal da Bahia (RI/UFBA) divulgou no dia 30 de julho um alerta rotineiro indicando pesquisas da universidade. Nesta edição, o tema mulher negra foi um dos destaques.
 
Confira o texto de divulgação:
A trajetória da mulher negra, enquanto sujeito histórico e político, é de muita luta. Principalmente quando se refere à mulher negra, vitimada pela opressão de gênero e de etnia. Estudos apontam que, no Brasil, as mulheres negras estão nas colocações menos prestigiadas e sofrendo diversos tipos de violência. No dia 25 de julho, foi instituído, pela Organização das Nações Unidas (ONU), o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-americana. A data representa um marco da luta e resistência, além de oferecer oportunidade para proposições de ações e discussões a fim de enfrentar os preconceitos gerados pelo racismo e sexismo. No RI/UFBA você encontra diversos trabalhos acadêmicos sobre este tema, entre os quais:
 
 
 
 
 
 

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

4º Curso de Curta Duração em Gênero e Feminismo - SC

Instituto de Estudos de Gênero (IEG-UFSC)
4º Curso de Curta Duração em Gênero e Feminismo
Data: 17 a 21 de março de 2014
Local: Auditório do CFH/UFSC – Campus Trindade – Florianópolis


Orientações Gerais

O 4º Curso de Curta Duração em Gênero e Feminismo acontecerá entre os dias 17 a 21 de março de 2014 no Auditório do Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).


Promovido pelo Instituto de Estudos de Gênero (IEG/CFH), o curso conta com o apoio da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SPM).

O curso será ministrado por docentes e pesquisadores/as da UFSC, da UDESC e da UNIPLAC, e será aberto a estudantes, pesquisadoras/es, educadoras/es, gestoras/es públicas/os, e ativistas que atuam no campo dos estudos feministas e de gênero.


O curso, oferecido de forma concentrada em uma semana, objetiva:

a) promover a formação e a atuação no campo dos estudos feministas e de gênero;
b) fazer conhecer as principais questões em debate atualmente neste campo;
c) articular e estimular a criação de Núcleos de Estudos de Gênero nas diversas instituições envolvidas;
d) permitir maior integração entre pesquisadores/as dos diferentes núcleos de pesquisa da UFSC, UDESC e outras instituições de Santa
Catarina em vista da articulação de redes de pesquisa e ativismo.

e) estimular a presença de pesquisadoras/es de outros lugares do Brasil em atividades do IEG/UFSC.

O curso terá 15 sessões de duas horas, num total de 40 horas/aula (envolvendo atividades complementares) que serão ministradas na segunda (17 de março), terça (18 de março) e quinta (20 de março)  das 13:30 às 20:30 , na quarta (19) das 8:00 às 12:00 e 13:30 às 20:00 e na sexta (21) das 13:30 às 18:30.



Cronograma
22 de janeiro a 28 de fevereiro de 2014 – divulgação e inscrições
17 a 21 de marco de 2014 – 4º Curso de Curta Duração em Gênero e Feminismo
20 a 30 de maio de 2014 – Envio de certificados para quem obtiver frequência e aproveitamento no curso.

 
Das vagas

Serão oferecidas:

50 vagas os/as inscritos/as interessados/as em participar integralmente do Curso (receberá certificado equivalente a 40 horas/aula com registro como atividade de extensão da UFSC) 100 vagas para interessados/as em participar de sessões/aulas avulsas (receberá certificado simplificado equivalente às aulas/sessões das
quais participou).

20 vagas serão reservadas a alunos/as regularmente matriculados/as em Programas de Pós-Graduação da UFSC (mediante entrega de trabalho terá 2 créditos validados como disciplina da pós-graduação). Os/as alunos/as regularmente matriculados/as em Programas de Pós-Graduação da UFSC interessados nesta modalidade de inscrição deverão se matricular no Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências
Humanas (PPGICH) em disciplina optativa, oferecida pelas prof. Dras Miriam Grossi e Mara Lago nos prazos regulamentares de matricula de seus respectivos programas de pós-graduação. Para a validação da disciplina será obrigatória a entrega de trabalho, segundo as regras e prazos acordados com as profas da disciplina em aula no dia 26 de março das 8:30 às 12:30 em local posteriormente divulgado.

Não será cobrada taxa de inscrição, porém a inscrição prévia é obrigatória para a emissão de certificados.

Como as vagas são limitadas, a ordem de inscrição será considerada como prioridade:

Caso necessário, será divulgada uma lista de suplentes no site do IEG (www.ieg.ufsc.br) e a coordenação do curso convocará a suplência quando, o/a candidato/a não responder à mensagem de deferimento da inscrição no período previsto.

Para receber o certificado de participação total no curso (40 horas/aula), o/a cursista deverá frequentar pelo menos 75% das atividades.

A ficha de pré-inscrição encontra-se disponível em
https://docs.google.com/forms/d/1CyhDCUYFoGJvAmLrn1em3_zG6mdmlDpnm90EUUqm9KY/viewform

O período de inscrição se inicia em 22 de janeiro de 2014 e será encerrado às 24h do dia 28 de fevereiro de 2014.

Dúvidas, escreva para: estudosdegenero@gmail.com
Pesquisa personalizada