Seguidores

.

.

Pesquisa personalizada
Calendário Feminista

24 de fevereiro – Dia da conquista do voto feminino no Brasil
8 de março – Dia Internacional da Mulher
30 de abril – Dia Nacional da Mulher
28 de maio – Dia Internacional de Luta pela Saúde da Mulher e Dia Nacional de Redução da Morte Materna
25 de julho – Dia Internacional da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha
29 de agosto – Dia da Visibilidade Lésbica no Brasil
23 de setembro – Dia Internacional contra a Exploração Sexual e o Tráfico de Mulheres e Crianças
28 de setembro – Dia pela Descriminalização do aborto na América e Caribe
10 de outubro – Dia Nacional de Luta contra a Violência à Mulher
25 de outubro – Dia Internacional contra a Exploração da Mulher
25 de novembro – Dia Internacional da Não-Violência contra a Mulher
6 de dezembro – Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Prêmio Dra. Edialeda Salgado na SEMUR - BA

A Secretaria Municipal de Reparação (Semur) homenageará no dia 28 de julho, às 8h30, no Auditório da Câmara de Vereadores, mulheres negras da cidade de Salvador. A cerimônia faz parte das comemorações pelo Dia Municipal da Mulher Negra, 25 de julho, instituído pelo prefeito João Henrique através da Lei 7.440/2008.

No evento, denominado Prêmio Dra. Edialeda Salgado, uma homenagem à primeira mulher negra a ocupar uma Secretaria de Estado no Brasil e que sempre lutou em prol dos direitos das mulheres negras, serão homenageadas, este ano, mulheres que se auto declaram negras, trabalhadoras do mercado de trabalho ocupado por um público masculino, da cidade de Salvador.

Esta premiação tem como objetivo estimular a autoestima através da valorização da estética negra, reconhecer os desafios das mulheres negras trabalhadoras do mercado de trabalho que historicamente foi ocupado por um público masculino, dar visibilidade as conquistas profissionais das mulheres negras da cidade de Salvador e incentivar outras mulheres a lutar e conquistar espaços diferenciados na sociedade soteropolitana.

O Prêmio Dra. Edialeda Salgado 2011 tem como tema MULHER NEGRA: DESAFIOS NO MERCADO DE TRABALHO e tem como parceiros a Superintendência Municipal de Políticas para as Mulheres – SPM, a Força Sindical, o SINTEPAV/Bahia, a Câmara Municipal, a Vereadora Tia Eron e a Loja Maçônica Filhos de Salomão.


A Secretaria Municipal da Reparação em atendimento ao que preconiza seu regimento no que tange à “articulação com instituições para realização de atividades estratégicas, tendo como motivação temática a diversidade: gênero, raça, etnias, geracional, homofobia e xenofobia”, e em conformidade com seu plano estratégico anual tem dentre outros compromissos, trabalhar a auto-estima das mulheres negras dessa cidade.

Durante o I Encontro de Mulheres Afro-latino-americanas e Afro-caribenhas em Santo Domingo, na República Dominicana, em 1992, o dia 25 de julho foi instituído como marco internacional da luta e resistência da mulher negra. Desde então, vários setores da sociedade civil e governamental têm atuado para consolidar e dar visibilidade a esta data levando em consideração à opressão de gênero, raça e etnia vivida pelas mulheres negras latino-americanas e caribenhas.

Segundo o PNAD/2007 – Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - as mulheres representam 52,4% da população da Região Metropolitana de Salvador (RMS). Dentre estas, aproximadamente 81,9% são pretas e pardas. Aplicando esses percentuais, pertinentes à RMS, para a população estimada do Município de Salvador, temos atualmente 1.545.137 mulheres residentes em Salvador, das quais cerca de 1.273.193 são negras.

A Região Metropolitana de Salvador é recordista em proporção de mulheres que chefiam famílias, segundo dados da última PNAD/2008, realizada pelo IBGE.  As regiões mais pobres também são as que tem maior proporção de mulheres a frente de domicílios”, avalia Joílson Rodrigues, chefe do setor de informação do IBGE/BA.

Entretanto esse público tem resistido a todos esses obstáculos, rompendo barreiras e quebrando estereótipos que são impostos por uma sociedade racista e sexista, conquistando, assim, cargos de maior qualificação e ascensão social. É  justo e necessário, então, a realização de uma atividade que eleve sua autoestima, que reafirme sua beleza e a reconheça sua luta como forma de estimular e valorizar suas conquistas.

Att,
Daniela Passos
ASCOM/SEMUR
4009-2691
-- 


FONTE: Memória Lélia Gonzalez

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisa personalizada